IV

Em Alepo são folhas breves os homens.
Caminham e arrastam-se vacilantes.
São aves as súplicas, as mãos em sangue,
o coração frágil das mulheres, a memória
dos mortos e eternamente esquecidos.

Em Alepo ficam gestos por terminar,
carinhos perdidos por não haver mãos,
promessas incumpridas no tempo sem tempo.
Ausentaram-se da cidade os cantos, as crianças,
as rosas, as horas, as maçãs e o luar.

FOTO PARA POEMAS ALEPO (2)

Fotografia de autor desconhecido

Guardar

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s