Era Noite

Era noite e desceu
o teu braço no meu
minha chama aqueceu
minha barca soprou
e o céu que chegou
foi a vida que quis
meu pequeno batel
no teu cais atracou
dá-me luz p’ra subir
p’ró meu corpo despir
minha alma molhada
na lareira enxugou e
na cama se achou.
Dá-me o lençol e a lã,
dá-me a pele e o sentir
meu cabelo tapou
a nudez que encontrou
no beiral da tua boca
como andorinha pousou.
Traz a areia e o mar,
minha casa, meu ser,
lava-me com as mãos
na leveza do querer.
Enche a barca, amor,
eu soluço e o pesar
deslaçou meu cordel
parte cedo o batel
prende a âncora fatal
firma o meu barco no teu
que o porto é pequeno
e o desejo navega
nestas águas, no rumor
do vento que acalma
o sussurro dos dedos
nossos olhos cerrados
as janelas do corpo
sem luz para habitar.
*
© Lília Tavares (a publicar)

Resultado de imagem
Ilustração de ©Kristin Vestgard

Anúncios

2 pensamentos sobre “Era Noite

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s