OUVE-ME

Ouve-me: preciso de um amigo que abane o (meu) mundo.
Não sei se escutaste bem: tem de ter um coração de ave,
mas o seu grito contra o mal tem de ser forte como trovão.
Se eu cair, há-de levantar-me como se eu fosse pluma.
Soprará nas minhas feridas e a minha dor passará como nuvem.
Sempre quis um amigo assim.
Quando a solidão me fechava num quarto, ele abria janelas.
Se as lágrimas rolavam porque alguém partira, bebia-as como licor.
Sabia que voltava para o seu país quando há muito os meus olhos dormiam.
Disse-me num por do sol que chegaria um dia em que eu não daria pela sua ausência.
Ficaria a vigiar-me do seu país e daria recomendações às estrelas, à lua e aos peixes.
Faltou uma manhã e não mais voltou.

*
1) ‘Ouve-me’ integrou o conjunto de poemas ditos por José Proença Carvalho em ‘Principezinho’ JFLumiar, 2016-17)

5900-LÍLIA TAVARES-principezinho
Arte de © André Britz

Anúncios

Sabes, mãe, tenho saudades deste dia

Sabes, mãe, tenho saudades deste dia. Era terno e brilhante o teu olhar. Eu estava guardada, pequenina, no teu ventre e o que ouvia era já a canção das águas.
O Carlos, pequeno ainda, desconhecia que a vida traz solidão e com ela o silêncio, a partida.
Mãe, não sabias que a vida enfeitiça as pessoas que não têm carácter, aquelas que pintaram tristeza no teu rosto.
Mãe, porque partiram todos? Fiquei com esta foto de que me orgulho. Olho-a tantas vezes…
Mas é de ti, mãe, que falo. Partiste há 5 anos. Só hoje consegui chorar.
*
(19 Junho 1923 – 29 Junho 2012)

eu 2 (2)

FIM DE VERÃO (a publicar)

Guardei do verão os odores a laranjas e limões a saber a sol.
De mim, bom, de mim, não procurei saber o que ficou
antes de me aprontar para partir para longe das coisas
que sempre ficaram por dizer suspensas entre o ar e as lágrimas.
Não há estação disposta a aceitar a minha alma em desassossego
nem peito nem coração que abrigue a tristeza funda do existir.

Os olhos não vêem nem sentem porque habitam casas onde nunca estou.
Inquietação de quem não tem leito onde pousar a cabeça que não dorme,
pedregoso este trilho onde as árvores caminham a meu lado sem permissão.
Não quero aprisionar a lua para poder restaurar-me. Não valho nem um pouco
da privação de luar dos outros. Logo seria notícia. Apesar de fugir e esconder-me
na solidão, dariam ordem para executar quem guardou para si o luar como um amor proibido.

5649-LILIA TAVARES------------------------                                   summers-end-dorina-costras

Acrílico s/ tela: Summer’s end, de ©Dorina Costras, 2015