A noite desceu as suas cortinas


A noite desceu as suas cortinas.
Deixou-se estar. Afinal, o dia terminava como todos os que ficaram para trás.
Recordava. As mãos macias no papel amarelo onde se sentiam as texturas do tempo.
Prometera não voltar a abrir. Prometera nem abrir a pequena gaveta que cheira a dias amarrotados. O azul da tinta já pálido, enterrou-se nos sulcos das letras. “Parece braille”, pensou.
Perdera-se a capa. Só eles sabiam (Maria achava que ele ainda sabia) a ternura das palavras escritas num caderno de linhas. Trinta anos. Tempo de vazios e cúmplices instantes de silêncio. Perdera a viagem para o sonho. A ilha para dois enamorados por palavras. Isla Negra ou Lanzarote. O mar, um par de mãos no vento, cabelos de sal. A cumplicidade de quem espera da vida carinho, horas sem fim, noites acesas, papéis, tinta, cartas, música concertada com a dança das ondas. A velha máquina de escrever tem desbotada a fita e a tecla do A encravou há muito. De tanto escrever mar, barco, amor, saudade, viagem…
O que parece não fazer sentido aceita-se como uma roupa que não se usou. Ajeitará o segundo botão da sua camisa enquanto ele apertará o último laço do seu vestido.

Sentem-se memórias. Sépia. Um livro por fechar com um pedaço de renda.
Acendeu uma vela quase ardida.
“E será sempre assim.”

*
© Lília Tavares (a publicar)

maxresdefault[1]

Anúncios

Há mulheres que germinam entre flores.

Há mulheres que germinam entre flores. Nunca se interrogaram porquê. Possivelmente porque na sua concepção, a janela do quarto de uma mulher e de um homem que se amavam tivesse ficado aberta. Por ela entraram pólen e luar, envolvendo beijos, fecundando sonhos.
Em maio nascem estas meninas-mulheres. São rosadas. Os olhos têm cor indefinida, algures entre o violeta e o firmamento, têm a profundidade do gineceu de uma anémona.
Crescem num tempo que dificilmente condiz com o dos relógios. Trazem em si uma clepsidra oculta que conta gota a gota o tempo que levam até ao limbo do amor.
As suas mãos têm o toque aveludado das violetas. Vestem o olhar de miragens de campos de alfazemas onde encontram a calma nas tardes de sofrimento. Erguem-se como árvores carregadas de flores. Sentem-se glicínias e magnólias, mas dos seus ramos o vento não arrebata as folhas. Assolam o ímpeto dos outonos, abraçam todos os momentos em que foram felizes. São perenes e sobre abraços escrevem, como se estes as prendessem para sempre à vida. Sustentam-se de poesia e de ternuras. Saciam-se como as sementes que infinitamente lançaram à terra. Não são nem tudo nem nada porque ao seu lado ninguém se sentiu só na primavera.

(Para Alice Queiroz. Com saudade.)

B66rvQ4CYAAb_oZ

             Óleo s/ tela, de © Kristin Vestgard

Era Noite

Era noite e desceu
o teu braço no meu
minha chama aqueceu
minha barca soprou
e o céu que chegou
foi a vida que quis
meu pequeno batel
no teu cais atracou
dá-me luz p’ra subir
p’ró meu corpo despir
minha alma molhada
na lareira enxugou e
na cama se achou.
Dá-me o lençol e a lã,
dá-me a pele e o sentir
meu cabelo tapou
a nudez que encontrou
no beiral da tua boca
como andorinha pousou.
Traz a areia e o mar,
minha casa, meu ser,
lava-me com as mãos
na leveza do querer.
Enche a barca, amor,
eu soluço e o pesar
deslaçou meu cordel
parte cedo o batel
prende a âncora fatal
firma o meu barco no teu
que o porto é pequeno
e o desejo navega
nestas águas, no rumor
do vento que acalma
o sussurro dos dedos
nossos olhos cerrados
as janelas do corpo
sem luz para habitar.
*
© Lília Tavares (a publicar)

Resultado de imagem
Ilustração de ©Kristin Vestgard

OUVE-ME

Ouve-me: preciso de um amigo que abane o (meu) mundo.
Não sei se escutaste bem: tem de ter um coração de ave,
mas o seu grito contra o mal tem de ser forte como trovão.
Se eu cair, há-de levantar-me como se eu fosse pluma.
Soprará nas minhas feridas e a minha dor passará como nuvem.
Sempre quis um amigo assim.
Quando a solidão me fechava num quarto, ele abria janelas.
Se as lágrimas rolavam porque alguém partira, bebia-as como licor.
Sabia que voltava para o seu país quando há muito os meus olhos dormiam.
Disse-me num por do sol que chegaria um dia em que eu não daria pela sua ausência.
Ficaria a vigiar-me do seu país e daria recomendações às estrelas, à lua e aos peixes.
Faltou uma manhã e não mais voltou.

*
1) ‘Ouve-me’ integrou o conjunto de poemas ditos por José Proença Carvalho em ‘Principezinho’ JFLumiar, 2016-17)

5900-LÍLIA TAVARES-principezinho
Arte de © André Britz

Sabes, mãe, tenho saudades deste dia

Sabes, mãe, tenho saudades deste dia. Era terno e brilhante o teu olhar. Eu estava guardada, pequenina, no teu ventre e o que ouvia era já a canção das águas.
O Carlos, pequeno ainda, desconhecia que a vida traz solidão e com ela o silêncio, a partida.
Mãe, não sabias que a vida enfeitiça as pessoas que não têm carácter, aquelas que pintaram tristeza no teu rosto.
Mãe, porque partiram todos? Fiquei com esta foto de que me orgulho. Olho-a tantas vezes…
Mas é de ti, mãe, que falo. Partiste há 5 anos. Só hoje consegui chorar.
*
(19 Junho 1923 – 29 Junho 2012)

eu 2 (2)

FIM DE VERÃO (a publicar)

Guardei do verão os odores a laranjas e limões a saber a sol.
De mim, bom, de mim, não procurei saber o que ficou
antes de me aprontar para partir para longe das coisas
que sempre ficaram por dizer suspensas entre o ar e as lágrimas.
Não há estação disposta a aceitar a minha alma em desassossego
nem peito nem coração que abrigue a tristeza funda do existir.

Os olhos não vêem nem sentem porque habitam casas onde nunca estou.
Inquietação de quem não tem leito onde pousar a cabeça que não dorme,
pedregoso este trilho onde as árvores caminham a meu lado sem permissão.
Não quero aprisionar a lua para poder restaurar-me. Não valho nem um pouco
da privação de luar dos outros. Logo seria notícia. Apesar de fugir e esconder-me
na solidão, dariam ordem para executar quem guardou para si o luar como um amor proibido.

5649-LILIA TAVARES------------------------                                   summers-end-dorina-costras

Acrílico s/ tela: Summer’s end, de ©Dorina Costras, 2015